Resíduos de Construção e Demolição (RC&D)

by

Resíduos do Estoril-Sol estão a ser reaproveitados

A Edifer e a Somague, empresas que estão a proceder à demolição do antigo Hotel Estoril-Sol, estão a reduzir a quantidade de resíduos enviados para aterro, mediante a separação dos mesmos. «Através deste processo, há muitos resíduos que podem ser usados noutros fins. É preciso encará-los como uma matéria-prima que pode gerar dinheiro», sublinhou Sebastião Gaiolas, do departamento de qualidade e segurança da Edifer.

rcd 2

Durante o seminário «Sustentabilidade nas Empresas de construção», que decorreu em Lisboa, o responsável explicou que no local da empreitada existe uma britadeira que reduz a granulometria do betão e das alvenarias, maximizando a capacidade de transporte dos resíduos. Ainda a título de exemplo, a madeira está a ser aproveitada para a produção de aglomerados de madeira. Estas são algumas das medidas que estão ao alcance das empresas de construção, lembrou Sebastião Gaiolas.

rcd

Se no caso desta obra o destino a dar aos resíduos não é problemático, noutros casos a ausência de legislação pode condicionar as boas práticas. O responsável alertou que existe, nomeadamente, um vazio legal que enquadre as actividades de construção. É o caso da falta de legislação para resíduos de construção e demolição (RCD).

Em Portugal, estima-se que sejam gerados 4,4 milhões de toneladas de RCD. Segundo a Quercus, «cerca de 95 por cento são conduzidos para a deposição em aterros ou encaminhados através de empresas não licenciadas que oferecem preços convidativos, conduzindo a situações de manuseamento incorrecto e deposição ilegal».

  • Fonte: Portal do Ambiente
Anúncios

3 Respostas to “Resíduos de Construção e Demolição (RC&D)”

  1. francisco Says:

    ai está uma questão muito importante. tenho andado muito atento a todos os desenvolvimentos.
    Penso que as empresas e todas as pessoas deveriam se começar a preocupar mais com isso

  2. Evandro Says:

    Isso Realmente é algo de muita relavancia no senario atual, obras geram muitos resuduos que porderam ser reutilizados se aproveitado e separado.
    O meio ambiente agradece e geraria renda de uma maneira geral.

  3. Carlos Ressurreição Says:

    …não sei se a Cãmara Municipal de Sintra é pioneira mas publicou o Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos que obriga no artº 47º em todos os pedidos de operações urbanisticas a apresentar o Plano de Gestão de Residuos de Obra. Um excelente oportunidade de negócio

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: