6.ª alteração ao Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação (D.L. 555/99, de 16 de Dezembro)

by

Entra hoje em vigor a 6.ª alteração ao D.L.555/99. Já li e ouvi muita coisa sobre o assunto na comunicação social, falada e escrita. No entanto, nem tudo aquilo que é dito ou escrito se conforma com o espírito da alteração à lei. Algumas delas ouvidas nas rádios e vistas nas tv´s, configuram autênticas balelas. As várias interpretações sucedem-se umas às outras como as cerejas nas conversas de café. Porém, nas alterações que mais facilmente terão consequências na vida do cidadão comum que quer obter aprovação, junto das Câmaras Municipais, para o seu barracão ou o seu muro de suporte/vedação, ou seja, obras de escassa relevância urbanística (esse jargão subjectivo), ou até de reconstrução de fachadas ou de construção/ampliação em loteamentos, convém que se clarifique o seguinte:


– o Simplex do eng.º Sócrates surgiu para simplificar muito a vida ao dito cidadão. No entanto, o anúncio do alargamento da isenção de licença a uma série de intervenções urbanísticas não está assim tão agilizado como se previa e se apregoava. A isenção de licença implica (exceptuando as obras de conservação e pasme-se: as obras de alteração no interior de edifícios, que não impliquem modificações na estrutura, das cérceas, da forma dos telhados e das fachadas) uma comunicação prévia dirigida ao presidente da câmara acompanhada por elementos instrutórios (a definir em portaria), um termo de responsabilidade, e devem observar as normas legais e regulamentares aplicáveis, quer ao nível da gestão territorial, quer ao nível das normas técnicas de construção. Ou seja, tem que existir um projecto técnico composto pelas peças escritas e desenhadas que tão bem conhecemos (piscinas inclusive, pois estas também estão dependentes de comunicação prévia à câmara) para instruir devidamente a comunicação prévia – ver n.º 8, do art. 6.º e n.º2, do art.º 35.º

– As intervenções já referidas, que não carecem de comunicação prévia (as obras de conservação e as obras de alteração no interior de edifícios, que não impliquem modificações na estrutura, das cérceas, da forma dos telhados e das fachadas), logo não sujeitas ao controlo prévio das câmaras municipais, necessitam de um projecto técnico composto pelas peças que já conhecemos, mesmo que o projecto não tenha que ir à respectiva câmara municipal. E isto para todos os efeitos, sejam eles técnicos ou legais. Por exemplo: um dono de obra durante a execução do seu muro de suporte, não pode esquecer que está sempre sujeito a uma fiscalização que lhe demande pelo projecto baseado nas normas técnicas de construção. E quem o poderá fazer será a câmara, o ISHST (extinto IDICT) ou outros, para verificação do cumprimento das regras de saúde e segurança e para certificação da competência do alvará do empreiteiro executante.

Vide no n.º1 e n.º 3 do artigo 6.º e n.ºs 1, 2 e 3 do art.º 35, do D.L. 555/99, republicado em 4 de Setembro de 2007, que entra hoje em vigor. Acrescem as portarias que também hoje foram publicadas em Diário de República.

Adenda: é importante não confundir a nova figura da comunicação prévia (art.º 34) com a informação prévia (art.º 14.º) que já existia e continua a existir. A comunicação prévia surge agora, como se viu, para comunicar à câmara que se pretende realizar uma determinada operação urbanística de menor importância ou inserida num loteamento com regras já definidas, ficando o processo concluído com a sua não-rejeição (ou admissão) – que é um termo novo. O pedido de informação prévia mantém-se como o pedido da viabilidade de uma determinada operação urbanística. Todas as restantes operações urbanísticas (não inseridas no conceito daquelas que só é exigida uma comunicação prévia), as de maior importância, portanto, estão sujeitas a licença – [licenciamento camarário] (art.º 18.º).

2 Respostas to “6.ª alteração ao Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação (D.L. 555/99, de 16 de Dezembro)”

  1. maria Says:

    Pelo que li os emparecelamentos deixam de ser obrigatórios, como se procedem?

  2. Maria Teixeira Says:

    Então posso ou não posso; fazer um galinheiro com madeira e ferro velho, que fui buscar ao contentou do lixo ???

    É que agora posso fazer o galinheiro, junto ao muro do meu QUERIDO, vizinho, pois não necessito sequer de comunicar à câmara de gondomar.

    É FIXE NÃO É ????

    QUE VIOLAÇÃO LEGAL FAÇO EU AO REALIZAR JUNTO A UMA CASA QUE RESPEITA TODAS AS LEIS … ILHAS E GUETOS SOCIAIS !!!

    VIVA OS BARRACOS EM MADEIRA PODRE E CHAPAS DE ZINCO.

    VIVA SÓCRATES, VIVA SÓCRATES … VIVA … VIVA …

    VIVA O LINDO CHEIRO DA MERDA DAS GALINHAS, Á JANELA DOS QUARTOS DO MEU VIZINHO !!!!!

    .

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: